Grupo de Estudos do Prof. Edir

Grupo de Estudos do Prof. Edir
Informações: ediralonso@hotmail.com

ALUNOS


Material Cronistas do Descobrimento

Clique Aqui para Carta de Caminha

Clique Aqui para Relação da Viagem de Pedro Álvares Cabral (Piloto Anônimo)

segunda-feira, 16 de março de 2009

Teoria Literária: Gêneros Literários

*Material extraído da nossa Área Vip. Assine já!

Gêneros Literários
Quanto à estrutura e ao conteúdo, classificamos as obras literárias em três gêneros elementares: Épico (narrativo), Lírico e Dramático. Grosso modo, pode-se dizer que, quando um eu registra sua subjetividade e suas emoções, trata-se do lírico; quando é contada alguma história, trata-se do épico; mas quando atores, mediante gestos e falas, representam uma ação no palco, trata-se do dramático.

Gêneros Literários:



Estruturas Narrativas Contemporâneas:



Naturalmente, a divisão dos gêneros literários de acordo com a proposta aristotélica é hoje percebida em suas limitações. A literatura moderna torna cada vez mais evidentes as formas híbridas do fenômeno literário. Isso quer dizer que é freqüente encontrarmos textos que apresentem caracteres de mais de um gênero, como se observa no célebre poema de Bandeira:


O Bicho

Vi ontem um bicho

Na imundície do pátio
Catando comida entre os detritos.

Quando achava alguma coisa,
Não examinava nem cheirava:
Engolia com voracidade.

O bicho não era um cão,
Não era um gato,
Não era um rato.

O bicho, meu Deus, era um homem.


(Manuel Bandeira)

Esse texto pode ser considerado, em uma primeira análise um texto do gênero lírico (poético): constituído por versos e estrofes, explorando o ritmo e a sonoridade das palavras...
Por outro lado, o texto acima, que designamos como poema, apresenta todos os componentes essenciais do gênero narrativo:

- Narrador: "Vi ontem um bicho". Um sujeito conta o que viu, é, portanto o narrador de uma história.
- Tempo: "ontem"
- Personagem: "um bicho". Um sujeito que vive a situação narrada. É o personagem central da história (protagonista).
- Espaço: "na imundície do pátio". Lugar onde se processa a ação.
- Enredo: Uma sucessão de fatos vai sendo colocada pelo narrador até o desfecho surpreendente: O 'bicho' era um homem.

Mas afinal, se precisássemos classificar o texto quanto ao gênero, o que faríamos? Para responder a essa pergunta, é necessário responder: Qual a essência do texto em análise? Contar uma história ou expressar um estado de espírito? O que é mais importante no caso?

No poema "O Bicho", é evidente a necessidade de se expressar algo: a indignação do eu-lírico frente à degradação humana. O sentimento de perplexidade diante de um ser humano colocado em condição inferior à de um animal, pois o 'homem-bicho' sequer escolhe o seu alimento, apenas engole o que encontra com voracidade.

Temos aqui, portanto, o gênero lírico.

É possível, também, encontrarmos textos em prosa, mas com caracteres de lirismo, o que se convenciomou chamar prosa poética. É o que vemos em muitas crônicas de Rubem Braga, nos contos de Caio Fernando Abreu, ou até mesmo no clássico "Iracema", de José de Alencar:

"Verdes mares bravios de minha terra natal, onde canta a jandaia nas frondes da carnaúba;
Verdes mares, que brilhais como líquida esmeralda aos raios do sol nascente, perlongando as alvas praias ensombradas de coqueiros;
Serenai, verdes mares, e alisai docemente a vaga impetuosa, para que o barco aventureiro manso resvale à flor das águas. [...]"


Observe o ritmo, a métrica, as rimas toantes, as repetições, as assonâncias e as aliterações. Poderíamos transformar o original (prosa) em verso e teríamos:

"Ver-des-ma-res-bra-vios (5)
De-mi-nha-ter-ra-na-tal (7
On-de-can-ta-a-jan-da-ia (7)
Nas-fron-des-da-car-na-úba (7)
Ver-des-ma-res-que-bri-lha-is (7)
Co-mo-lí-qui-da-es-me-ral-da (7)
Aos-ra-ios-do-sol-nas-cen-te (7)
Per-lon-gan-do-as-al-vas-pra-ias (7)
En-som-bra-das-de-co-quei-ros (7)

* Fizemos aqui a separação de sílabas poéticas, assunto que trataremos a seguir, nas próximas aulas.

Perceba ainda a forma como o autor trabalha a adjetivação e as comparações:

"Iracema, a virgem dos lábios de mel, que tinha os cabelos mais negros que a asa da graúna e mais longos que o seu talhe de palmeira.
O favo da Jati não era doce como o seu sorriso; nem a baunilha recendia no bosque como seu hálito perfumado."


Assim, temos em "Iracema" um perfeito exemplar de "prosa poética".

3 comentários:

  1. Muito bom! Estou estudando os gêneros literários na faculdade e esse blog ajudou bastante. Te sigo!

    ResponderExcluir