VIDEOAULA COMPLETA SOBRE OS LIVROS DA UFSC!

VIDEOAULA COMPLETA SOBRE OS LIVROS DA UFSC!
Clique na imagem para assistir

Aulas com o Prof. Edir em Floripa!

Aulas com o Prof. Edir em Floripa!
DESCONTO ESPECIAL PARA MATRÍCULAS FEITAS EM SETEMBRO!

ALUNOS


Material Cronistas do Descobrimento

Clique Aqui para Carta de Caminha

Clique Aqui para Relação da Viagem de Pedro Álvares Cabral (Piloto Anônimo)

segunda-feira, 16 de março de 2009

Teoria Literária: Gêneros Literários

*Material extraído da nossa Área Vip. Assine já!

Gêneros Literários
Quanto à estrutura e ao conteúdo, classificamos as obras literárias em três gêneros elementares: Épico (narrativo), Lírico e Dramático. Grosso modo, pode-se dizer que, quando um eu registra sua subjetividade e suas emoções, trata-se do lírico; quando é contada alguma história, trata-se do épico; mas quando atores, mediante gestos e falas, representam uma ação no palco, trata-se do dramático.

Gêneros Literários:



Estruturas Narrativas Contemporâneas:



Naturalmente, a divisão dos gêneros literários de acordo com a proposta aristotélica é hoje percebida em suas limitações. A literatura moderna torna cada vez mais evidentes as formas híbridas do fenômeno literário. Isso quer dizer que é freqüente encontrarmos textos que apresentem caracteres de mais de um gênero, como se observa no célebre poema de Bandeira:


O Bicho

Vi ontem um bicho

Na imundície do pátio
Catando comida entre os detritos.

Quando achava alguma coisa,
Não examinava nem cheirava:
Engolia com voracidade.

O bicho não era um cão,
Não era um gato,
Não era um rato.

O bicho, meu Deus, era um homem.


(Manuel Bandeira)

Esse texto pode ser considerado, em uma primeira análise um texto do gênero lírico (poético): constituído por versos e estrofes, explorando o ritmo e a sonoridade das palavras...
Por outro lado, o texto acima, que designamos como poema, apresenta todos os componentes essenciais do gênero narrativo:

- Narrador: "Vi ontem um bicho". Um sujeito conta o que viu, é, portanto o narrador de uma história.
- Tempo: "ontem"
- Personagem: "um bicho". Um sujeito que vive a situação narrada. É o personagem central da história (protagonista).
- Espaço: "na imundície do pátio". Lugar onde se processa a ação.
- Enredo: Uma sucessão de fatos vai sendo colocada pelo narrador até o desfecho surpreendente: O 'bicho' era um homem.

Mas afinal, se precisássemos classificar o texto quanto ao gênero, o que faríamos? Para responder a essa pergunta, é necessário responder: Qual a essência do texto em análise? Contar uma história ou expressar um estado de espírito? O que é mais importante no caso?

No poema "O Bicho", é evidente a necessidade de se expressar algo: a indignação do eu-lírico frente à degradação humana. O sentimento de perplexidade diante de um ser humano colocado em condição inferior à de um animal, pois o 'homem-bicho' sequer escolhe o seu alimento, apenas engole o que encontra com voracidade.

Temos aqui, portanto, o gênero lírico.

É possível, também, encontrarmos textos em prosa, mas com caracteres de lirismo, o que se convenciomou chamar prosa poética. É o que vemos em muitas crônicas de Rubem Braga, nos contos de Caio Fernando Abreu, ou até mesmo no clássico "Iracema", de José de Alencar:

"Verdes mares bravios de minha terra natal, onde canta a jandaia nas frondes da carnaúba;
Verdes mares, que brilhais como líquida esmeralda aos raios do sol nascente, perlongando as alvas praias ensombradas de coqueiros;
Serenai, verdes mares, e alisai docemente a vaga impetuosa, para que o barco aventureiro manso resvale à flor das águas. [...]"


Observe o ritmo, a métrica, as rimas toantes, as repetições, as assonâncias e as aliterações. Poderíamos transformar o original (prosa) em verso e teríamos:

"Ver-des-ma-res-bra-vios (5)
De-mi-nha-ter-ra-na-tal (7
On-de-can-ta-a-jan-da-ia (7)
Nas-fron-des-da-car-na-úba (7)
Ver-des-ma-res-que-bri-lha-is (7)
Co-mo-lí-qui-da-es-me-ral-da (7)
Aos-ra-ios-do-sol-nas-cen-te (7)
Per-lon-gan-do-as-al-vas-pra-ias (7)
En-som-bra-das-de-co-quei-ros (7)

* Fizemos aqui a separação de sílabas poéticas, assunto que trataremos a seguir, nas próximas aulas.

Perceba ainda a forma como o autor trabalha a adjetivação e as comparações:

"Iracema, a virgem dos lábios de mel, que tinha os cabelos mais negros que a asa da graúna e mais longos que o seu talhe de palmeira.
O favo da Jati não era doce como o seu sorriso; nem a baunilha recendia no bosque como seu hálito perfumado."


Assim, temos em "Iracema" um perfeito exemplar de "prosa poética".

3 comentários:

  1. Muito bom! Estou estudando os gêneros literários na faculdade e esse blog ajudou bastante. Te sigo!

    ResponderExcluir