Grupo de Estudos do Prof. Edir

Grupo de Estudos do Prof. Edir
Informações: ediralonso@hotmail.com

ALUNOS


Material Cronistas do Descobrimento

Clique Aqui para Carta de Caminha

Clique Aqui para Relação da Viagem de Pedro Álvares Cabral (Piloto Anônimo)

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Resumo: Os Tambores Silenciosos (Josué Guimarães)

Em Os tambores silenciosos, de Josué Guimarães, o autor constrói a imaginária Lagoa Branca, pequena cidade gaúcha situada num ponto qualquer entre Passo Fundo e Cruz Alta.

Josué Guimarães realiza uma síntese feliz entre narrativa de costumes interioranos e sátira política, situando a ação do romance na conflituosa década de 1930. Em Os Tambores Silenciosos o humor é direcionado às classes dominantes, ou seja, o patriarcado, os grandes senhores de terra e o poder político instituído.

Um dos personagens da obra, o "conselheiro do prefeito da imaginária cidade de Lagoa Branca", que se assemelhava a um conselheiro do Tribunal de contas de Porto Alegre.

A história transcorre na Semana da Pátria, em 1936, época que antecede a implantação do Estado Novo por Getúlio Vargas. O prefeito, um ditador empenhado em tornar seu povo "feliz", proíbe a distribuição de jornais e a posse de aparelhos de rádio, além de censurar a correspondência dos cidadãos. Afinal, como ter paz de espírito com tantas notícias sobre fuzilamento, miséria e epidemias?

O prefeito simplesmente "fechou" a cidade para o resto do mundo. Os mendigos, ele os empacotava e os jogava no rio, os jornais eram confiscados na madrugada e não havia notícia ruim que ganhasse as suas páginas e o conhecimento público.

O ficcionista volta a se servir do cômico e do fantástico para narrar os episódios ocorridos durante a semana da pátria de 1936, na pacata Lagoa Branca, comunidade imaginada entre o Planalto e a Serra a julgar pelos citados limites com Cruz Alta, Passo Fundo, Rio Pardo e Taquari.

A trama gira em torno do coronel João Cândido, que tem planos de instituir a sua comunidade ideal. Para tanto, proíbe a circulação dos jornais que chegam de Porto Alegre e recolhe todos os aparelhos de rádio. As restrições do coronel, nas mãos de seu aparato policial (sobretudo um capitão da Brigada e um inspetor de polícia) logo servem para que se inicie uma dissimulada escala de violência, que vai do espancamento de jovens estudantes ao extermínio em massa dos mendigos da cidade.

O clímax ocorre entre o 6 e o 7 de setembro, quando pássaros negros infestam os ares e uma sucessão de boicotes e denúncias expõem as fragilidades dos defensores da ordem pública, levando ao fracasso de seus planos, enquanto o coronel ditador, louco, se suicida.

Os sete dias de terror tornam mais intensas as características dos típicos habitantes: as intrigas de João da Lagoa, o sacristão; as bajulações do Dr. Lúcio, uma mistura de político e intelectual; as perfídias do inspetor Paulinho. O rolo cresce e o caos aumenta, até que os pássaros de pano construídos por Maria da Glória, a mais jovem das irmãs Pillar, pressagiam a descoberta da farsa e desvelam a força de denúncia sugerida pela obra.

Ao contrário das tradicionais epopéias gaúchas, não há nenhum gesto heróico em Os tambores silenciosos. As personagens presentes são políticos medíocres e dominados pela ambição, mulheres infiéis e policiais violentos.

Através de um par de binóculos, o leitor vai acompanhar o olhar de sete curiosas solteironas, penetrando em recantos de alcovas e no gabinete da prefeitura. Com humor e cinismo, qualidades próprias para compor a caricatura de um sistema autoritário, Josué Guimarães aniquila essa microditadura e constrói uma obra perfeita, na melhor linhagem do realismo fantástico.

*Texto de Passeiweb.com

LEIA ANÁLISE COMPLETA DA OBRA- Artigo de Katia Luisa Seckler (UFSM)

Nenhum comentário:

Postar um comentário